Intoxicação por carne de baiacu possui alta taxa de mortalidade



O baiacu ou peixe-bola (pufferfish, boxfish) é um peixe ósseo de distribuição cosmopolita. Existem cerca de 120 espécies e a maioria delas é encontrada em regiões tropicais e subtropicais, incluindo espécies fluviais. Quando ameaçados por predadores, estes peixes podem ingerir água ou ar e aumentar o volume corporal, tomando formato esférico, o que dificulta a ação de peixes maiores.

Há casos no Brasil e em países como Taiwan, China e Japão

Adicionalmente, são considerados animais venenosos devido ao fato de poderem armazenar tetrodotoxina (Ttx) e outras neurotoxinas. A Ttx é toxina letal provavelmente sintetizada pelas bactérias contidas nos alimentos ingeridos pelos peixes.

“Ela é acumulada e utilizada como arma de defesa”, explica Vidal Haddad Junior, professor do Departamento de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu, e autor de diversos trabalhos científicos sobre o tema.

“Mais do que relatar casos ou fazer discussões acadêmicas, as pesquisas têm por finalidade mostrar que não é só no Japão que pessoas morrem por comer carne de peixes-bola. Um alerta sobre o tema pode elevar o nível de informação no país e mostrar que não apenas pescadores se intoxicam, ocorrendo casos em vítimas que compram o peixe em mercados”, diz o professor.

De fato, apesar da toxidade, algumas espécies de peixes-bola são consideradas uma iguaria. No Japão, por exemplo, o fugu, nome popular do peixe, é um prato caro e preparado por cozinheiros treinados e licenciados. Apesar dos cuidados na preparação, envenenamentos fatais por fugu são comuns no Japão, ocorrendo cerca de 50 mortes anualmente. A ingestão de carne de baiacu pode ser acidental ou intencional (tentativa de suicídio).

A intoxicação por baiacus possui alta taxa de mortalidade. Intoxicações por baiacus são mais comuns no Sudeste Asiático, Taiwan, China e Japão, mas também há relatos de casos nos EUA e na Austrália. No Brasil, onde existem poucos estudos clínicos sobre os envenenamentos e traumas causados por animais aquáticos, os baiacus-lisos da família Tetrodontidae são os mais consumidos.

Toxina

A tetrodotoxina é encontrada nas vísceras (especialmente gônadas, fígado e baço) e na pele do peixe. É uma toxina termo-estável, que não sofre ação de cocção, lavagem ou congelamento. O nível da toxina é sazonal, e as maiores concentrações são encontradas nas fêmeas no pico da época reprodutiva, fazendo com que a ingestão dos peixes seja mais perigosa no momento anterior e durante o período reprodutivo.

A toxina age bloqueando o lócus extracelular dos receptores de sódio voltagem dependente, impedindo a despolarização e a propagação do potencial de ação nas células nervosas. Esta ação ocorre nos nervos periféricos motores, sensoriais e autonômicos. A toxina tem ainda ação depressora no centro respiratório e vasomotor do tronco encefálico. A morte pode ocorrer devido a paralisia muscular, depressão respiratória e falência circulatória.

Aspectos clínicos

Os sintomas geralmente se iniciam dentro de 6 horas, mas em alguns pacientes podem demorar até 20 horas para se manifestarem. Parestesias periorais, fraqueza da musculatura facial e extremidades, dor abdominal, sialorreia, náuseas, vômitos e diarreia surgem precocemente.

Os pacientes podem apresentar disfunção motora com fraqueza muscular, hipoventilação e disartria. Um quadro de paralisia ascendente ocorre de 4 a 24 horas e paralisia nas extremidades é seguida por paralisia nos músculos respiratórios. “Existem textos que relacionam o efeito paralisante da Ttx com o mito dos zumbis e do vodu no Haiti”, diz Haddad.

Tardiamente há disfunção cardíaca e no Sistema Nervoso Central, com hipotensão arterial e arritmias, coma e convulsões. Bradicardia refratária a tratamento, bloqueio do nodo átrio-ventricular e bloqueios de ramo podem ser fatais.

Pacientes com intoxicações graves podem apresentar coma profundo, pupilas fixas e não reativas, apneia e ausência de reflexos do tronco encefálico. Os acidentados que sobrevivem à fase aguda da intoxicação (primeiras 24h), geralmente se recuperam sem sequelas, mas a melhora definitiva pode levar dias para ocorrer. O diagnóstico é baseado na história clínica e no relato de consumo alimentar.

Tratamento

Não há antídoto para a Ttx e o tratamento é voltado aos sinais e sintomas manifestados. Medidas de desintoxicação como lavagem gástrica e carvão ativado podem ser úteis em fases iniciais. Em casos graves, deve-se utilizar a ventilação mecânica e medicações ionotrópicas.

(Revista Unesp Ciência)



Conteúdo relacionado